quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Competitividade: o perfil do derrotado e do vitorioso

Nessa terça-feira o Internacional de Porto Alegre sofreu uma derrota mais do que inesperada para o Mazembe, do Congo, no jogo eliminatório do Mundial de Clubes da Fifa em Abu Dhabi.

Não quero entrar no mérito futebolístico da questão, mas no comportamental, para tentar entender como é que um clube tecnicamente superior ao outro perde numa situação onde absolutamente não é permitido perder.

E para falar em linhas rápidas sobre isso, quero antes apresentar o autor de uma frase que li a anos atrás numa entrevista à revista Veja: Alexander Popov.

Ex-recordista olímpico dos 50m livres, com 21s64. Esta marca foi recorde mundial por 8 anos, entre os anos de 2000 e 2008, e só foi batida depois do advento das "super-roupas", os maiôs tecnológicos. Popov nunca teve esse benefício tecnológico, sempre tendo nadado com sungas. Também foi detentor do recorde mundial dos 100m livres com 48s21 entre os anos de 1994 a 2000. Ambas as provas são conhecidas por serem as mais concorridas de todas na natação, o que reforça ainda mais a importância de tais feitos.

Na entrevista a que me refiro, Popov foi questionado sobre os limites do homem para conquistar índices cada dia mais surpreendentes de desempenho físico, como aqueles que ele vinha conquistando. E sua resposta ficou marcada em minha mente, foi mais ou menos assim: "Tudo está na sua cabeça. Seu corpo obedece o que sua cabeça manda fazer. Você é capaz de fazer coisas inacreditáveis, desde que obedeça os comandos de sua própria cabeça".

Essa frase é tão verdadeira que vimos o quanto o fator emocional foi determinante para a vitória do Mazembe e para a derrota e desclassificação do Inter naquele jogo, onde bastava aos brasileiros fazer o que sabiam.

Transferindo essa linha de pensamento para o mundo corporativo, podemos compreender porque muitos só lamentam enquanto outros vencem.

Considerando que você esteja preparado para vencer, seja na modalidade esportiva, seja para vencer na vida pessoal ou profissional, o único capaz de limitar seu caminho é você mesmo. Estabelecendo aonde quer chegar e cada vitória que pretende conquistar, o resto depende da sua obediência perante as ordens de sua própria cabeça.

E que vença... quem buscar a vitória!!