sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Reality show confirma: o ser humano é intolerante

No final de setembro teve início a terceira edição de A Fazenda, um dos realitys shows de maior arrecadação em patrocínios e com prêmio de maior valor ao participante vencedor.

E por falar em participante, já na primeira semana foi possível assistir a um verdadeiro espetáculo de insociabilidade e intolerância entre pessoas com um objetivo em comum: ser o mais aceito pelo público espectador e conquistar o grande prêmio.

Imagine você um confinamento com os seguintes elementos: uma ex-top model, ex-símbolo sexual e apresentadora de programa pop em emissora de TV a cabo; um roqueiro tatuado no corpo inteiro com dizeres que vão de dragões e símbolos egípcios a umbandistas; um ex-jogador de futebol metido a moralista (quando jogava não era, mas parece que converteu-se); uma ex-universitária, ilustre personalidade do acaso, aproveitada pela mídia após episódio tosco de exposição excessiva das silhuetas no campus acadêmico; um transformista inteligente, maduro e resolvido como pessoa, atualmente mais mulher do que homem; um maquiador de personalidades tão resolvido em suas convicções sobre a vida e sua sexualidade quanto o transformista; uma dançarina do funk (carnuda prá chuchu!), lançadora da moda de auto apelidar-se com o nome de uma fruta tão carnuda quanto ela; um ex-apresentador infantil, ex-apresentador de programa apelativo de auditório, e ex-júri de programas de calouros, que do alto dos seus cinquenta e poucos anos ainda fala e age como a trinta anos atrás; e mais umas 7 figuras da TV que se dizem atores, atrizes, jornalistas e dançarinas... mas que você provavelmente nunca ouviu falar antes.

Pois bem, o que se vê nesse reality atualmente é um verdadeiro espetáculo de atrocidades à língua portuguesa e ao respeito mútuo. As pessoas definitivamente não conseguem tolerar a individualidade, o modo de vida, as fraquezas e os defeitos, e principalmente os valores um do outro.

Percebe-se claramente que não há estrutura interior que permita a essa gente co-existir, conviver pacificamente e resolver suas diferenças de forma harmônica e negociável, respeitando-se a cima de tudo.

Três "peões" já foram excluídos  (sairá um a um por semana): a ex-top model após surtar, gritar e distribuir palavrões para todos os demais; a personalidade do acaso após passar a maior parte do tempo chorando pelos cantos; e agora o mas o mais polêmico até aqui, o roqueiro, que saiu do jogo votado nessa semana por 74% do público brasileiro.

O referido roqueiro deu um verdadeiro show de intolerância, do tipo "quem não pensar igual a mim vai sofrer as consequências", ao julgar como gravíssima a atitude de um dos participantes, num erro bobo cometido logo na primeira semana por esse infeliz, o qual desculpou-se com todos, mas não obteve o perdão do roqueiro ditador.

O fato é que esse roqueiro dirigiu todos os palavrões de seu dicionário e dirigiu todo tipo de agressão verbal ao infeliz, julgando-o, condenando-o, prometendo perturbar-lhe diariamente para "fazer justiça" enquanto permanecessem ali e criando um clima de tensão na fazenda.

Nessa quinta-feira, quando três peões estavam no paredão para que um deles fosse o mais votados e excluído pelo público, o roqueiro foi eliminado e orgulhava-se de dizer "saio de cabeça erguida por ter feito o que é certo, e faria tudo de novo pois tenho convicção de minhas opiniões". "Gostaria de ter ficado, pois tinha um trabalho para concluir ainda".

Ou seja, ele agiu como aqueles assassinos, daqueles que após pego pela polícia diria com a maior tranquilidade que fez a coisa certa, o que acha justo, e que não se arrepende do seu crime... E eu me pergunto: qual será o trabalho que o roqueiro teria para concluir ainda na fazenda?

O ser humano me mete medo...