terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Kaiser dá um chapéu na Ambev e escala Mano Menezes no comercial

Essa me pegou de surpresa. Mano Mezes, treinador da seleção brasileira de futebol, patrocinada a peso de ouro pelo Guaraná Antártica, uma das marcas da Ambev, foi nomeado embaixador da cerveja Kaiser em setembro desse ano, e já estréia filme publicitário com a marca.

Segundo o site m&w online, "Mano foi anunciado como o novo embaixador da marca em setembro – época em que foi desenvolvido um vídeo em que ele falava sobre a missão, orgulho e convocava as pessoas a reverem os conceitos sobre a marca.

O filme retrata o retorno do técnico para Passo do Sobrado, cidade natal onde nasceu em 1962, o início como jogador no time amador Esporte Clube do Rosário, clube do qual o pai era presidente, e a relação com a Kaiser, cerveja que consumiam após os jogos do Rosário. Ao contar este percurso, o filme vai trabalhando valores, amizade, espírito de equipe até chegar ao reconhecimento.

“Nós fomos buscar esta relação e queríamos explicar o porquê de termos escolhido o Mano Menezes para este novo momento da kaiser”, explica Rafael Merel, diretor de criação da agência, que assina a direção da campanha ao lado de Pedro Cappeletti e Marcelo Fedrizzi. Isso, segundo ele, trouxe a cena um Mano Menezes “super à vontade” que contou com alguns velhos amigos na figuração do filme.
"

Com essa ação Mano coloca uma pedra no caminho da Ambev em caso de interesse de vincular sua imagem a uma das marcas da maior cervejaria nacional.

Essa tática fez-me lembrar do embrólio envolvendo a seleção olímpica de basquete dos EUA na Olimpíada de Barcelona, onde o Dream Team formado pelas maiores estrelas da MBA, quase todos com patrocínio individual com a Nike, não aceitou subir no pódio para receber a medalha de ouro com o agasalho da Reebok, fornecedora oficial de uniformes do comitê olímpico norte-americano. A situação foi tão constragedora que só foi contornada quando Phill Knight, presidente e co-fundador da Nike, ligou pessoalmente autorizando os atletas a cumprirem o contrato entre o comitê olímpico e a Reebok, utilizando o agasalho oficial da equipe.

Agora imagine só a situação da CBF, quando ceder a imagem de sua seleção para uso da Ambev (o que certamente é um direito do patrocinador), cujo treinador é o embaixador oficial da cerveja Kaiser... Será que uma possibilidade de conflito já foi cogitada entre as partes?! Só o futuro dirá...