quarta-feira, 27 de junho de 2012

Cresça e apareça em harmonia com as gerações

Normalmente temos lido e escrito muito sobre as características emocionais, comportamentais e profissionais dos membros da geração Y, estudando-os como se fossem uma nova espécie do reino animal. Eu mesmo tenho feito muito isso.

Assim, acabamos por ter uma visão viciada buscando compreendê-los melhor e moldar as estruturas de trabalho para favorecer a convivência pacífica e produtiva com esses novos profissionais e seus perfis estabelecidos. Mas e quanto a eles, o que sabem sobre as gerações X e baby boomers para que promovam uma releitura de si mesmos buscando adequar-se ao que já existe enquanto o mundo se adapta a eles?

É sobre isso que quero falar hoje: como encarar e integrar-se ao perfil e às culturas já existentes para crescer e prosperar profissionalmente sendo um membro da geração Y.

Trabalhando com Baby Boomers

Os Baby Boomers, que na longa época da recessão primavam pela estabilidade no emprego (e por isso mesmo cobiçavam os empregos concursados), normalmente são profissionais com muitos anos de serviço, porém com pouca variedade de conhecimentos práticos e pouca formação acadêmica (se comparados às novas gerações).

Essa geração tem por característica a estabilidade, e o fantasma do desemprego os persegue desde os tempos da juventude. São profissionais de carreira leais e confiáveis, mas com menor poder de fogo e de argumentos no momento de um recrutamento. Por esse fato vemos muitos debates falando sobre o “preconceito” na contratação de profissionais a cima de 40 anos, quando na verdade a razão dessa dificuldade não é o preconceito de fato, mas a baixa capacidade de se adaptar e de contribuir com inovações às organizações altamente competitivas e dinâmicas.

Por isso o convívio com um baby boomer deve ser de respeito à sua história de vida e de valorização àquilo que ele já fez por onde trabalhou, quando a concorrência decorrente do capitalismo não era tão agressiva quanto hoje. Um Y poderá se dar muito bem com um baby boomer se tiver a humildade de ouvi-lo e aprender com sua experiência. Mesmo com todas as discordâncias que venham a existir, o baby boomer ainda carrega consigo a credibilidade e a fidelidade ao empregador, fato muito diferente de um Y que troca de emprego com facilidade para ganhar mais dinheiro. Conquistando junto à empresa a mesma credibilidade adquirida por um baby boomer e somando a isso a sua flexibilidade nas mudanças e capacidade criativa, um membro da geração Y poderá obter muita experiência e sucesso profissional.

Trabalhando com a Geração X

Já a Geração X, que herdou um pouco dos seus pais Baby Boomers, já começou a enxergar com bons olhos um plano de carreira com foco no aprendizado de uma profissão na iniciativa privada onde será avaliado por produtividade e não há estabilidade. Aspiravam iniciar uma carreira, por exemplo, no McDonald's. Essa geração, em seu início de carreira, ainda não pegou o crescimento da economia e abertura de milhares de faculdades particulares de baixo custo, e por isso primavam pelo desenvolvimento profissional na prática em empresas com estrutura de trabalho bem consolidada. Nesse momento ganharam força as inúmeras agências de estágio, sendo esse um serviço muito oportuno criado para atender à demanda de conhecimentos práticos e empregabilidade da Geração X. Essa geração, que aprendeu a trabalhar na raça e na vontade, não se preocupava em ganhar bem no início de carreira, pois inspirada pelo pai, tem foco no futuro.

Assim, o convívio profissional entre um Y e um X tende a ser mais conflitante do que entre um Y e um baby boomer, pois o X tem espírito jovem e está em plena fase produtiva, brigando pelas mesmas vagas de emprego que o Y. A grande diferença é que o Y geralmente se apresenta ao mercado de trabalho com uma grande bagagem cognitiva teórica, enquanto que o X já adquiriu conhecimento prático e muitos deles estão em busca de atualizar-se nos cursos de graduação e especialização para valorizar os seus currículos.

Enquanto isso, o convívio harmonioso de um Y com um X será possível sempre que o Y admitir que a experiência de campo que lhe falta só será conquistada se ele souber administrar um relacionamento de cumplicidade e transparência com seus companheiros X. A confiança mútua será altamente produtiva para a empresa, e o aprendizado prático será um complemento enriquecedor a quem já tem uma boa bagagem técnica.

Diploma X Experiência

Por isso é importante compreender que ter diplomas sem ter experiências de campo não agrega valor aos salários, e esse é o principal motivo de insatisfação profissional da geração Y: consideram que têm boa formação acadêmica mas não aceitam que o empregador lhe pague pouco até que ganhem bagagem profissional.

A Geração Y normalmente não gosta de trabalho repetitivo e não vê a hora de crescer, ganhar mais dinheiro, vibrar com resultados e buscar novos desafios. Muitos deles são filhos de pai e mãe separados ou que passam longas horas em ambiente de trabalho e no trânsito, e por consequência disso os Y amadurecem quase sozinhos e se inspiram naquilo que aprendem na TV, escola, faculdade e internet, aspirando vida social intensa, status e independência financeira. São tão orgulhosos e autoconfiantes quanto os X, mas seu futuro ainda está em construção, e é esse o principal ponto de conflito: julgam-se prontos para a vida profissional quando estão apenas começando.

Por isso o segredo do sucesso para a geração Y é planejamento, disciplina e paciência: Planejamento de carreira para saber onde quer chegar e como chegar; Disciplina para não perder o foco priorizando sempre o crescimento profissional e curricular, sem pressa para enriquecer; e Paciência para suportar algumas diferenças de opiniões, valores, medos e vaidades das demais gerações, com as quais é mais vantagem conviver e aprender do que conflitar e rivalizar.

O que diferencia os profissionais no mercado de trabalho é o quanto cada um se qualificou, atuou, produziu e construiu. A soma de tudo isso, independente do tempo percorrido para a conquista do sucesso, perfaz o seu valor profissional e a sua empregabilidade, independente de qual geração você pertence. Você pode ser membro de qualquer geração e ser apenas mais um no mercado de trabalho ou pode ser um renomado, respeitado e admirado profissional de 20, 35, 50 ou 70 anos de idade.

O sucesso não tem idade, quem o constrói é você.

*Esse texto de minha autoria foi escrito originalmente em junho de 2012 para o site Carreira Y, e apresento-lhes aqui na íntegra para leitura.

O Carreira Y é  um site que destina-se à profissionais da Geração Y mas com um conteúdo que pretende agregar conhecimento a todos os profissionais. Seu diferencial diante de outros sites de conteúdo online é que todas as informações nele inseridas têm sua linguagem, abordagem e informações destinadas aos jovens da Geração Y.