sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Educação infantil: a casa como extensão da escola

Essa semana eu estava relembrando de uma reunião que tivemos na escola Nobel, onde minha filha estudou aos 4 anos de idade. Foi um encontro muito útil, pois a escola apresentou formalmente aos pais sua metodologia de ensino e fez algumas considerações para que os pais participem positivamente do propósito de ensino da escola. Esse evento é muito válido e deveria ser promovido por todas as escolas. E a nós, pais, cabe cobrar isso dos centros de educação onde matriculamos nossos filhos em período pré-escolar até o primeiro grau.

Dentre as diversas considerações, a que mais me chamou a atenção foi sobre o fato de os alunos sentarem em grupinhos de 4 na mesma mesa. O objetivo desse técnica é que as crianças aperfeiçoem suas percepções por comparação, ou seja, sem serem ensinadas para refazer o que não ficou bem feito.

Assim, após a professora pedir que desenhem sua família, cada criança terá sua própria forma de expressar através do desenho. Segundo o seu grau de desenvolvimento algumas farão desenhos mais complexos do que outras, e é aí que ocorre o aprendizado por comparação. As crianças poderão ver tudo o que seus coleguinhas fazem, e sempre que identificarem algo mais bem feito do que o seu, estarão propensos a copiar e melhorar sua percepção sozinhos.

A ideia parte do princípio de que cada escola pode até variar em sua metodologia de ensino, mas a recepção e a absorção do conhecimento varia de criança para criança. Assim, se você sempre estimular a criança e parabenizá-lo pelo que ela produziu estará contribuindo para que ela produza sempre, sem medo das críticas.

Mas se a professora ou os pais forem críticos...

Mas ao contrário, se alguém criticar ou disser que o que ela fez está errado, ou fizer qualquer menção negativa sobre o que ela apresentar poderá estar construindo uma barreira que a impeça de fazer seja lá o que for mais vezes. Estará limitando sua criatividade e iniciativa em produzir mais e melhor. Se ela tentar escrever o próprio nome e o fizer errado, com letras sem proporção ou com qualquer outro erro, mesmo assim você deve parabenizá-la e elogiar pelo que fez sem medo de que esse erro se perpetue. No tempo certo ela passará a escrever corretamente.

Fiquei muito feliz em ter participado desse encontro na escola e aproveito aqui para dividir com os amigos, pais e mães para que pratiquem também  essa técnica em suas casas:

1 - Parabenize seu filho de até 6 anos por toda a obra que ele construir: desenhos, pinturas, objetos, escrita, etc;
2 - O melhor que você tem a fazer é imitar o que ele fez, mas de forma correta. Mesmo assim, parabenize a obra dele e permita que ele veja a sua obra. E por comparação, no tempo devido, ele sozinho conseguirá fazer algo tão bem feito quanto o que você fez;
3 - Jamais critique ou desestimule seu filho por algo que ele tenha produzido, mesmo que pareça uma verdadeira aberração. No tempo certo ele aperfeiçoará sua obra sozinho, apenas observando a maneira dos outros fazerem.

Preguiça de pintar

Outra informação que me chamou a atenção é sobre a complexidade de alguns trabalhinhos que eles produzem. Como o movimento das mãos, dos dedos e do punho ainda não está plenamente desenvolvido, algumas crianças têm dificuldade em pintar, ou seja, pintam meio rabiscado ou de forma parcial algum desenho.

Se você ver que o desenho ou pintura de alguma criança da mesma idade de seu filho parece melhor, não se preocupe com isso por enquanto. Não é necessariamente sinal de preguiça ou desleixo de seu filho. Na maioria das vezes é apenas cansaço pelo pouco desenvolvimento dos músculos das mãos. O mesmo ocorre com recortes, onde a falta de coordenação motora é absolutamente normal, e o tempo de evolução varia de criança para criança.

O papel dos pais em casa

Por isso acho importante que as escolas dividam com os pais determinados assuntos, pois pais desinformados podem cometer erros e acabar inibindo a criatividade e o desenvolvimento de seus filhos com críticas desnecessárias ou fazendo comparações depreciativas com outras crianças mais avançadas.

É bom lembrar que muitas crianças tornam-se complexadas ou inseguras justamente pela falta de experiência em educação dos próprios pais, que dentro de casa acabam cometendo alguns erros que podem atrapalhar por todo o desenvolvimento estudantil e pessoal de seus filhos.

Mas não misturem o desenvolvimento cognitivo das crianças com a disciplina e respeito pelos pais. Estou falando aqui sobre aprendizado escolar, diferente de disciplina, o que demandaria uma outra abordagem.

Portanto fica aqui a minha dica. Filhos positivos produzem mais e melhor. Pais positivos promovem o aprendizado e estimulam o desenvolvimento de seus filhos de forma mais satisfatória. Sejamos incentivadores incondicionais de nossas crianças em sua primeira etapa de aprendizado. Tudo o que eles fazem está correto,  é lindo e merece os parabéns!

Tenho certeza que muitos pais e mães têm boas experiências para compartilhar aqui conosco. Quem puder somar informações a esse post, será bem vindo aqui nos comentários.

Saudações a todos!