quarta-feira, 19 de outubro de 2011

A diferença entre ser bonito e ser talentoso

No domingo passado, dia 16 de outubro, a apresentadora Eliana apresentou em seu programa uma entrevista (assista aqui) com Justin Bieber, e uma parte dela me chamou a atenção.

Em um dado momento, a apresentadora disse que o cabelo do cantor seria sua marca registrada, e que agora que ele mudou o penteado, perguntou se essa mudança não teria sido muito dura ou dolorida para ele. Justin, em uma demonstração de mais maturidade do que futilidade, respondeu de pronto que sua marca registrada era a sua música, e que a mudança de penteado foi apenas uma mudança motivada pelo fato de que muita gente estava usando aquele mesmo penteado, e que ele resolveu mudar para não ficar igual a todo mundo. 

Em outras palavras, Justin quis dizer que o cabelo não tinha a menor importância, pois seu sucesso era fruto do seu trabalho, sua música.

Isso chamou-me a atenção, pois hoje vemos muita notícia relacionada ao preconceito velado entre os recrutadores que deixam-se levar pela aparência e peso do candidato no momento da seleção para uma vaga de emprego.

Essa cultura do esteriótipo provém da inveja e da falta de inteligência do ser humano em admitir que ninguém escolhe ser bonito ou ser feio, ser magricelo ou ter tendência a ganhar peso fácil.

O fato é que muita gente está condenada ao insucesso pessoal e profissional graças à ignorância alheia, onde a cultura popular dá cada vez mais valor à beleza do que ao talento...