quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Ahhh, esses fracos profissionais de recrutamento e seleção...

Tenho lido inúmeros fóruns de discussão reclamando de recrutadores, pessoas responsáveis por processos seletivos das empresas e agências de emprego pelo mau serviço que realizam. Alegam que os recrutadores não têm ética, que fazem perguntas medíocres, que fazem dinâmicas ultrapassadas, que não recrutam o melhor candidato (geralmente sendo "eles", os reclamões, os melhores candidatos, evidentemente...) e assim por diante.

Até onde minha paciência permitiu participei das discussões, sempre citando educadamente que os candidatos normalmente não conhecem o teor das demais entrevistas e nem o desempenho dos demais selecionáveis. Também não têm acesso ao currículo dos demais entrevistados e tampouco sabem detalhes do perfil psicológico e pessoal procurado para cada situação. Mesmo assim a turma reluta em aceitar, e estão desempregados por pura sacanagem e incompetência do recrutador. Que assim seja.

Mas hoje encontrei uma nova abordagem, que quero dividir aqui com vocês. O autor do fórum questionou:

"Gostaria que alguém do setor de recursos humanos das empresas respondesse essa questão: Por que o candidato a uma vaga de emprego, (quase) nunca sabe do andamento do processo seletivo?"

A quem dei minha contribuição respondendo:

"É uma questão simples de oferta e demanda.

Se você tiver uma loja que vende roupas (compara-se ao profissional que vende seu trabalho) você recebe clientes com interesse de compra (compara-se ao empresário que contrata). Você como lojista consegue ter feedback espontâneo dos clientes que não compraram em sua loja (comparável aos empresários contratadores)?

É assim que funciona. Quem tem algo a vender é que corre atrás. Quem tem dinheiro para comprar/contratar está no conforto de escolher sem dar satisfações de suas razões ou tempo para a escolha.

No mercado de trabalho, o que muitos não sabem é o número de contratações realizadas por mês e o número de candidatos entrevistados no mesmo mês. Num supermercado, onde o turnover é alto, entrevista-se uma média de 100 a 150 pessoas por mês. Já imaginou preocupar-se com as seleções, contratações, integrações, treinamentos, demissões, entrevistas demissionais, acertos no sindicato, e tudo isso de novo dia após dia e ainda ter a fineza de dar feedback a uma média de 120 pessoas por mês? Nesse caso, acho que não custa o candidato ligar a quem realiza a seleção e fazer uma pergunta: o processo seletivo de tal vaga já foi concluído ou está ainda em aberto? Eu já fiz isso várias vezes, e numa delas recebi nova proposta para participar de outro processo seletivo com o meu perfil...

Infelizmente, amigo, concordo que seria muito gratificante receber esse retorno dos recrutadores. Porém precisamos compreender o lado de lá, cada um com suas prioridades internas, e correr atrás dos nossos assuntos, como eles fazem com os deles.
"

Está dada a minha opinião. Vamos nos qualificar, aprender a ser um bom entrevistado (olha aqui uma excelente dica!) e deixar cada um no seu quadrado. Quem paga a empresa de recrutamento que reclame dos serviços...