segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Marketing esportivo: um risco fenomenal

O que é o que é, que coloca no trono e depois tira do trono, que aplaude e depois ameça bater, que chama de ídolo e depois de mercenário?

Se você disse Saddam Hussein errou. Nessa segunda feira, Ronaldo, o fenômeno, anunciou sua aposentadoria no futebol depois uma volta triunfante ao Brasil para atuar no Corinthians.

Na época de seu retorno ao futebol brasileiro o fato foi envolvido de polêmicas com o Flamengo, cuja torcida (e diretoria) davam como certo a opção do ex-craque pelo seu time do coração. Grande engano... o dinheiro falou mais alto e o "projeto" do timão de festejar seu centenário com títulos nunca antes conquistados foi assaz motivador para que ele acertasse com o time paulista.

No início foi um mar de rosas, pois o clube venceu um paulistão e uma Copa do Brasil que os deixou cheios de esperanças. E nisso ficou...

Para resumir, o ano de 2010 terminou com um certo ar de melancolia disfarçada, pois 2011 vinha aí e tudo podia ser diferente. Mas começou com o pé esquerdo, perdendo logo de cara o acesso à sonhada copa Libertadores para um time bem desconhecido. Daí a torcida não perdoou e destronou todo tipo de craque que aparecia pela frente. E se o Corinthians esperava que seu craque fenomenal proporcionasse visibilidade à marca do clube, conseguiu... com a brutalidade e fanatismo de sua torcida.

Roberto Carlos foi convidado a retirar-se do clube após uma ameaça de morte. Isso mesmo, o atleta foi ameaçado pela fiel torcida e não permaneceu. Certo de que poderia não ter melhor sorte, Fenômeno fez discurso emocionado, enrolou, enrolou, enrolou na coletiva, mas em síntese, pendurou a chuteira antes de bater as botas... foi isso. Mais vale um ex-craque milionário, aposentado e vivo do que um Fenômeno eternizado a sete palmos.

Mas e o marketing esportivo?

Marketing esportivo é isso: deve-se observar muito bem em que tipo de personalidade deposita-se a simpatia do consumidor pela sua marca.

Ronaldo, já sem gozar da simpatia da torcida do Flamengo, uma das 2 maiores do Brasil, agora também é desafeto da torcida do Corinthians, outra das 2 maiores torcidas. E o que é pior: em plena desclassificação da copa Libertadores, uma empresa de telefonia o apresentava nos intervalos da TV chutando uma bola no ninho da coruja para promover os seus serviços.

Que o homem já foi consagrado no mundo do futebol, isso não resta a menor dúvida. Mas na atual conjuntura, será que Ronaldo foi um bom garoto propaganda para a marca Claro? Vai aumentar a credibilidade e promover carisma da marca na mente do consumidor? Ronaldo será capaz de dar lastro na hora da decisão de compra de alguém a favor da marca que está promovendo em plena má fase dentro de campo? Responda você...

E se não bastasse, o patrocinado ainda chuta um toco no seu twitter contra o próprio contratador. Oh, infortúnio!

Não quero aqui tirar o mérito de todas as conquistas fenomenais de Ronaldo, que já foi aclamado com justiça em todo o planeta. Mas cada dia é um momento e personalidade/jogador precisam estar em perfeito equilíbrio para servir de garoto propaganda para alguém, pois a mídia indireta e sensacionalista não perdoa e nem escolhe seu alvo.

Atenção empresários: olho aberto no perfil do seu potencial garoto propaganda! Uma marca construída a duras penas pode perder credibilidade em poucos segundos num polêmico motel com travestis, numa blitz policial ou numa simples derrota em campo.

E assim caminha a mediocridade de nossa torcida e a ingenuidade de alguns marketeiros.