quarta-feira, 10 de junho de 2009

A lenda do Puro Sangue que virou um Elefante Branco

Num reino distante onde havia prosperidade, 6 faculdades, 3 shoppings de varejo e outros tantos de atacado, grandes escolas particulares, 3 grandes clubes de campo, 4 bons hospitais, aeroporto de grande porte, vila olímpica, 12 concessionárias de veículos de passeio, ticket médio de $ 25,00 nos mercados e onde quase toda a população de aproximadamente 300 mil habitantes possuía casa própria e andava com seu próprio veículo motorizado, surgiu um novo empreendimento.

Esse empreendimento encantou de imediato lordes e condes do reino, que de posse de pesquisas conclusivas decidiram investir nele, naquilo que seria um verdadeiro Puro Sangue.

E o Puro Sangue recebeu os melhores votos de sucesso de todas as fadas da região, menos de uma: a Fada da Cegueira Estratégica.

Devido a esse encanto da fada, muitos deixaram de compreender a dinâmica do mercado, acreditando que o Puro Sangue, de aparência quase divina, seria competitivo e forte no meio dos demais empreendimentos do reino. A fada provocou muita confusão e falhas de interpretação de temas tipicamente mercadológicos, tais como:

1 – Fez acreditar que todas as pessoas de classe A da micro região do empreendimento possuíam também hábitos de classe A, o que não era verdade;
2 – Fez esquecer que seu reino de 300 mil habitantes em nada se assemelhava a um reino de 10 milhões de habitantes, o que obrigaria os lordes a traçarem estratégias muito mais elaboradas para um quarto empreendimento desse porte;
3 – Fez ignorar que um grande empreendimento não se fazia só com capital, mas com visão estratégica e planejamento antecipado de especialistas para que ele se sustentasse após o nascimento;
4 – Fez precipitar os locadores comerciais que não garimparam os lojistas mais adequados para atender ao público pretendido, recolhendo operações aleatoriamente, sem análise de perfil e de potencial de gestão e crescimento;
5 – Fez iludir os gestores com uma campanha publicitária linda, porém caríssima, para o lançamento de um negócio inacabado.

Mas o maior prejuízo causado pela Fada da Cegueira Estratégica ainda estava por vir: o Mal da Cegueira Continuada.

Devido a esse mal, a equipe de lordes, mesmo sabendo que estavam vítimas da fada, nada fizeram para quebrar o encanto, e persistiam no erro de não traçar um plano estratégico para embasar seu empreendimento e ressurgir competitivamente nesse reino tão promissor. Ao invés disso, apostaram na chegada de um cavalheiro, que igualmente vítima da cegueira estratégica e falta de persuasão, nada pôde fazer.

Com isso, insistiam em promover eventos e realizar publicidade para um público que, quanto mais chegava, menos voltava. É isso! Essa era a conseqüência da cegueira estratégica: atrair consumidores para algo do qual eles não se encantariam, levando uma idéia negativa de que o Puro Sangue era ruim, e de que lá eles não conseguiriam nada que pudesse lhes interessar:

1 – Um centro de compras com opções de escolha;
2 – Um local de entretenimento adulto e infantil, onde inclusive poderia ser feito compras.

Por que então alguém sairia do principal centro de compras no centro do reino, onde havia inclusive dois empreendimentos semelhantes, para dirigir-se a um local que sequer garantiria a satisfação de uma compra?! Nem a âncora de um grande mercado, com fluxo médio de 1500 clientes/dia e 3000 clientes nas quartas-feiras e finais de semana conseguia levar para dentro do empreendimento os consumidores pretendidos.

Foi então que o encanto causou o seu maior e último efeito, transformando um Puro Sangue num Elefante Branco, cujo fim estava pré-anunciado.

E pairava aquela dúvida: se o negócio é tão ruim, por que é que alguém investiria milhões na construção de outro empreendimento semelhante a menos de 1 km do Elefante Branco?

A resposta poderia ser simples: lá, a Fada da Cegueira Estratégica não conseguira atingir os seus gestores, que trabalhavam nos bastidores para construir algo que:

1 - Não iria competir com os líderes de mercados;
2 - Proporcionaria um novo conceito de compras com lojas DIFERENTES do trivial, daquilo que todos já conheciam e que estavam presentes no principal centro de compras do reino;
3 - Provocasse o interesse de toda a população do reino, e não apenas dos circunvizinhos;
4 – Atrairia pessoas de todas a idades, principalmente infanto-juvenil, a qual obrigatoriamente carregaria consigo pessoas adultas, e que formariam o público qualificado e fidelizado a médio prazo, dando a sustentabilidade de que o empreendimento necessitaria;
5 – Oferecesse ENTRETENIMENTO, pois não adiantaria remar contra a maré acreditando ser possível modificar a cultura de um reino onde era típico da população andar de um ponto a outro atrás de opções e preços para comprar roupas, calçados e eletrodomésticos.

E assim termina a história do Puro Sangue que transformou-se em um Elefante Branco. E nem precisa ser mago para saber que dava para quebrar o encanto da Fada da Cegueira Estratégica.