quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Realizar ou Possuir: Identificando uma fonte de felicidade

Já reparou que crianças, via de regra, são mais felizes do que adultos? Isso pode ter uma resposta muito simples. É que crianças realizam (anotem o verbo REALIZAR) muito mais do que possuem (anotem o verbo POSSUIR).

Essa química que ocorre entre o "realizar" e o "alcançar felicidade" pode ser observado em todo o transcorrer da vida das pessoas, pois o realizar muitas vezes é a conclusão de um sonho, um status, um estado de espírito que o "possuir" nem sempre é capaz de proporcionar.

Você pode tentar discordar de mim dizendo que seu sonho sempre foi possuir um determinado carro, e que finalmente o realizou, o que lhe proporcionou imensa felicidade. Mas se por outro lado você também sonhou em voar de balão, ou quem sabe até sonhou em atravessar o oceano remando um barco, como o extraordinário Amyr Klink, e um belo dia realizou esse sonho, perceba que durante toda a sua vida lembrará com muito mais orgulho daquilo que você fez do que daquilo que você possuiu.

Isso acontece porque o "possuir" é uma alegria momentânea, que satisfaz necessidades fisiológicas ou de segurança à sua pessoa, enquanto que o "realizar" é uma alegria duradoura, daquelas que você guardará sempre como uma conquista, uma experiência de vida, a qual ninguém nunca mais te tirará.

A moral dessa história é que muitas vezes nos prendemos em conquistar e possuir coisas a vida inteira, deixando de lado pequenas ou grandes conquistas que farão parte permanentemente de sua história. Veja à sua volta os grandes mártires, personalidades e pessoas admiradas por todos: eles se tornaram famosos ou admirados pelo que fizeram, e não pelo que possuíram. Espelhados no sucesso alheio, nós também temos dentro de nós o desejo de alcançar reconhecimento por nossas ações ou atitudes, e não pelas nossas posses, mesmo que elas nos proporcionem certa satisfação.

E no âmbito profissional, o que temos a dizer a respeito?

Temos muito a dizer, principalmente se formos bons administradores e líderes. Isso significa que quando pensarem em motivação de pessoas, o aumento de salário ou de benefícios nem sempre é a ferramenta ideal para reter e alegrar seus colaboradores. Lembre-se que prêmios e benefícios que atinjam o coração e o ego da pessoa serão muito mais valorizados a curto, médio e longo prazo do que um aumento salarial que só satisfaz a curto prazo.

Pensando sob esse ponto de vista, verá que quando puder oferecer ao seu colaborador algo que ele normalmente não buscará com o capital próprio (devido à sua escala de prioridades), terá realmente proporcionado a ele uma satisfação muito valorizada para vinculá-lo à sua empresa.

Com isso, viagens de avião a destinos turísticos ou treinamentos fora da empresa, eventos comemorativos com a presença de alguma personalidade esportiva ou artística para tirar fotos e ganhar autógrafos, ingressos para shows em camarote, e até prêmios de menor expressão como ingressos para cinema e churrascaria em família são presentes que podem fortalecer muito o seu vínculo com seus colaboradores sendo uma das ferramentas do endomarketing.

E essa lição serve também para nós mesmos: será que estamos buscando mais o "possuir" do que o "realizar", e por isso a vida de muitos não passa de uma rotina estressante e burocrática baseada em ganhar dinheiro e possuir coisas? São temas bons para filosofar em uma tarde de domingo...

* Esse texto foi escrito inspirado no filme Enrolados, onde Rapunzel busca a realização de um sonho e inclusive estimula um grupo de guerreiros sanguinários a exporem e buscarem seus sonhos.