sábado, 10 de março de 2012

Instituto Alana e o combate ao consumo infantil de cerveja

Publicidade é coisa séria, principalmente quando proporciona estímulo para mudanças comportamentais com impacto negativo na sociedade. E nesse contexto algumas entidades ou organizações não-governamentais têm lutado com as poucas armas de que dispõem para que o motor capitalista não supere a responsabilidade social.

Quero citar aqui o trabalho do Instituto Alana e sua missão. Desde 2005, o Projeto Criança e Consumo desenvolve atividades que despertam a consciência crítica da sociedade brasileira a respeito das práticas de consumo de produtos e serviços por crianças e adolescentes. Debater e apontar meios que minimizam os impactos negativos causados pelos investimentos maciços na mercantilização da infância e da juventude, tais como o consumismo, a erotização precoce, a incidência alarmante de obesidade infantil, a violência na juventude, o materialismo excessivo, o desgaste das relações sociais, dentre outros, faz parte do conjunto de ações pioneiras do Projeto que busca, como uma de suas metas, a proibição legal e expressa de toda e qualquer comunicação mercadológica dirigida à criança no Brasil. (leia mais aqui)

No que se refere à publicidade de bebidas com alto teor alcoólico, ela é regulamentada pela Lei nº 9.294/1996 e só pode ser veiculada pelas emissoras de rádio e TV entre 21h e 6h. No entanto, o Art. 1º, Parágrafo único, diz que "Consideram-se bebidas alcoólicas, para efeitos desta Lei, as bebidas potáveis com teor alcoólico superior a treze graus Gay Lussac".

Diante disso, o Instituto Alana realizou uma ação dirigida à personalidades artísticas de nosso país como  Adriane Galisteu, Ivete Sangalo, Carlinhos Brown, Dani Bananinha, Bento Ribeiro, Hélio de La Peña, Leandro Hassum, Malvino Salvador, Márcio Garcia e Ricardo Tozzi , as quais receberam cartas, por meio do Projeto Criança e Consumo, que alertavam sobre o que pode significar emprestar seus nomes a uma marca de cerveja.

"São todas personalidades do cenário nacional e que recentemente apareceram em campanhas de cerveja. Questionamos o fato de estarem nas propagandas porque temos uma discussão muito séria com a questão do horário em que elas são veiculadas", conta ao Adnews a advogada e coordenadora-geral do Criança e Consumo, Isabella Henriques.

Não é uma guerra do Alana contra a divulgação das cervejas, apenas um trabalho de conscientização. "Nosso ponto é que essa publicidade pode ir ao ar a qualquer hora do dia. E o peso de uma celebridade é muito grande na hora de influenciar as escolhas de uma criança", diz Isabella, que explica: "Talvez essas celebridades nem conheçam os detalhes da legislação e emprestam todo o prestigio que têm à publicidade de cerveja."

A propósito, você já viu algo mais insensato do que utilizar um jogador de futebol ou qualquer outro atleta como garoto propaganda de cerveja?! Crianças imitam o corte de cabelo, o tipo de boné, querem comprar as mesmas roupas e sapatos dos atletas... não é de se imaginar que vendo seu ídolo promovendo uma cerveja sintam também vontade de experimenta-la e consumi-la? Já que os fabricantes não estão nem aí para o impacto social, os atletas poderiam ser mais seletivos e responsáveis com os contratos que fecham. Destaco mais uma vez o super craque do futsal e inigualável Falcão (www.falcao12.com), que gerencia como poucos sua carreira de sucesso e sua imagem.

Um dos parágrafos da carta dirigida aos artistas eu quero citar aqui para seu conhecimento: "Vale lembrar que a cerveja representa mais de 70% de todo o volume de álcool consumido no país, além de ser a primeira bebida a ser consumida pelo jovem. Segundo dados do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), 42% das crianças brasileiras com idade entre 10 e 12 anos já consumiram bebida alcoólica e 10% da população com idade entre 12 e 17 anos preenchem critérios para ser classificada como dependente do álcool." (leia o conteúdo da carta na íntegra aqui)

Com esse post quero dedicar meu apoio à causa defendida pelo Instituto Alana e convidar meus amigos leitores a apoiá-la e difundi-la também. Lembrem-se sempre de observar como é que seus artistas preferidos se comportam diante da sociedade, que influência eles exercem sobre nossos filhos e se utilizam de forma responsável ou mercenária sua imagem admirada por tantos fãs.

Vejam nesse link as campanhas e animações produzidas pelo Instituto Alana sobre álcool, erotização, obesidade, etc, e aproveitem para divulgá-las nas escolas e para seus filhos.

O combate às drogas

Quero aproveitar que estou no tema relacionado ao vício adquirido já na infância e adolescência e destacar a contribuição positiva da Rede Record nesse assunto. A novela Vidas em Jogo está passando em sua trama o caso de um personagem jovem que, frustrado com sua carreira como jogador de futebol, atirou-se no mundo das drogas e experimentou o crak.

A trama mostra abertamente no que transformou-se o rapaz imaturo e o que a droga provoca em seu corpo e sua mente, além de apresentar todo o drama da família na dura realidade de um ente viciado que não consegue mais dominar sua própria vontade.


A mídia tem condições de ilustrar essa situação e influenciar positivamente seus expectadores. Basta querer...

.........................

Visite a Livraria Cultura e dê um vale presente a quem você ama!