sábado, 3 de dezembro de 2011

O ser humano sustentável começa dentro de casa

Você está criando seu filho para ser um adulto sustentável? A pergunta pode até parecer estranha, mas é pertinente. Veja só uma coisa: baseado na sustentabilidade, estamos buscando fazer com que os recursos sejam renováveis, que não haja desperdício e nem extração em excesso, que não se altere em definitivo determinadas configurações naturais do planeta e coisas do gênero, visando promover um mundo melhor apesar do avançado estágio de degradação de nosso habitat original.

Baseado nessa análise, coloco você a fazer uma avaliação no processo de educação de uma criança para poder responder à pergunta: seu filho será um adulto sustentável? Ele será capaz de promover uma sociedade justa, ética, saudável e responsável?

Vamos aos itens:


1 - Seu filho quando nasce é declarado HOMEM ou MULHER. Nesse caso deve ser criado para pensar e agir como tal. O homem em sua essência é o provedor de recursos, é o que protege a família, o que age com a cabeça. A mulher é quem gerencia a família, amamenta e cria filhos, provém os recursos para apoiar o homem em sua rotina, a que age com o coração. Isso não significa que ambos estejam inaptos ou proibidos para inverter e compartilhar os papéis e funções quando adultos (o que vai acontecer naturalmente), mas na educação de crianças acredito que elas devam ser encorajadas a reconhecer o seu papel em uma relação coletiva e matrimonial, respeitando-se a ordem natural e orgânica do ser humano que pode, mesmo que subjetivamente, ser preservada para que haja uma escala de valores a ser seguida por toda a vida.

2 - Seu filho quando cresce conhece a si próprio como FILHO, ou seja, é dependente e deve OBEDIÊNCIA ao pai e à mãe. Assim deve ser introduzida a disciplina, onde desde cedo o filho vai compreender que por toda a sua vida deverá obedecer a determinadas hierarquias, aprendendo que há momentos para obedecer e momentos para mandar. A criança que não aprende disciplina será um problema para a sociedade no futuro. Mas cuidado: disciplina não é repressão e nem espancamento. O castigo e a palmada educativa devem ser dados na medida certa. Há livros que ensinam como disciplinar crianças, vamos estudar para fazer bem feito.

3 - Seu filho após certa idade aprenderá a fazer distinção do CERTO e do ERRADO, já saberá fazer juízo das coisas, e portanto estará apto a receber lições sobre RESPEITO. A criança que aprende a respeitar compreende seu espaço e seu papel em um contexto social. Viver coletivamente obriga os pais a ensinarem o que é respeito, tolerância e humildade para saber decidir o que é bom para todos e o que é bom para si, para que assim aprenda a desfrutar de tudo o que se gosta, mas sem prejudicar quem está em sua volta.

4 - Crescendo mais um pouco seu filho iniciará a sua luta pessoal àquilo que seu coração almeja, e aí entram os conselhos sobre o que é LÍCITO e o que é CONVENIENTE. A criança deve aprender a discernir o que é bom e o que é ruim, pois já estará capacitada a fazer avaliações mais elaboradas sobre tudo o que está em sua volta. Não o estimule à vaidade, pois isso gera consumismo pelo fútil. Faça-o convicto de que ele é bonito por natureza, e deixe que preocupe-se com colares, brincos, artigos de grife e maquiagem depois de adulto. Explique a ele o que não faz bem para sua saúde, como o cigarro, a bebida e as drogas, e assim poderá ficar tranquilo com sua capacidade de compreensão e decisão diante da oportunidade que aparecer-lhe de experimentar. Lembre-se que o seu vínculo e relacionamento estabelecido com ele desde bebê o fará aceitar facilmente seus conselhos. Mas não deixe de explicar suas razões, para que ele concorde com os motivos de sua argumentação sobre todas as coisas abordadas. Criança é como uma esponja seca: é capaz de absorver e aprender muito mais do que você possa imaginar. Não deixe de ensiná-lo em casa antes que ele chegue às próprias conclusões assistindo Malhação, Rebeldes, Pica-pau e Xou da Xuxa.

5 - Na fase entre 3 e 10 anos poderá estimulá-lo a fazer o bem, de modo que ele sentirá prazer em COMPARTILHAR seus brinquedos, seu lanche e suas brincadeiras com outras crianças. Isso fará dele um moço e um adulto sem egoísmo, desapegado das coisas materiais e não-consumista. A idéia de posse e vaidade na infância não traz nenhum benefício à criança, e ajudá-la a partilhar suas coisas com outras pessoas o fará um adulto mais leve e menos compulsivo em "possuir".

6 - Instintivamente seu filho aprenderá que vencer é bom e a COMPETITIVIDADE surgirá naturalmente de dentro dele. Ali cabe aos pais dosar sua competitividade para que seja algo saudável e não destrutivo, substituindo a rivalidade pela busca por um melhor desempenho e consequente vitória. A rivalidade e a frustração mal trabalhada pode alimentar a inveja e a trapaça, sentimentos que não devem ser introduzidos na vida da criança. Não o desestimule a vencer e aceite que ele se aborreça após uma derrota, mas nessa situação não deixe cair o seu semblante e mostre com otimismo que com mais treino poderá evoluir cada dia mais naquilo que gosta. Ensine-o a valorizar as qualidades de seus oponentes, pois é importante saber reconhecer que você não é o melhor em tudo, pois há também pessoas muito boas além de você. Isso ajudará seu filho a ser um adulto maduro e humilde, porém entusiasmado em superar suas fraquezas.

7 - Durante seu amadurecimento a criança já começa a perceber claramente o que é seu, e aí os pais devem ensiná-lo a ZELAR, pois tudo tem um preço, e mesmo que algo deixe de servir para a criança por alguma razão, esse objeto, roupa ou utensílio pode ser utilizado também por outras crianças, desde que ele tenha zelado do que era seu.

8 - Algo que mesmo sem pensar a criança começará a decidir é sobre o que ela gosta de COMER. Sobre esse assunto os pais devem ter máxima atenção, ajudando-o a conhecer os alimentos e saber que benefícios eles trazem para sua saúde. Não é preciso privá-lo de coisas que ele vai ter acesso mais cedo ou mais tarde, como balas, refrigerantes e chips, mas é preciso ensiná-lo que seu consumo desenfreado não lhe faz bem, e que eventualmente podem ser consumidos apenas para saciar a vontade. A criança deve ser estimulada a experimentar todo tipo de alimento natural, e seu consumo deve ser levado a sério, para que cresçam bonitos e saudáveis. Não faça da magreza uma necessidade. Se ele alimentar-se corretamente terá saúde, sendo mais magro ou mais gordo em seu esteriótipo, e isso não faz a menor diferença.

9 - Ao adquiriem habilidade em alimentar-se com as próprias mãos as crianças já podem ser ensinadas a HIGIENIZAR-SE. Ensinando desde cedo sobre a importância da limpeza e sobre os prejuízos e riscos da sujeira, formaremos filhos responsáveis e zelosos de si mesmos e do seu habitat, cumprindo instintivamente com regras simples como escovação dos dentes, lavagem das mãos e depósito do lixo em cestos de lixo.

10 - As crianças devem ter sua AUTO ESTIMA sempre estimulada para que se sintam capazes, queridas, admiradas e principalmente amadas. Elogios são bem vindos, mas nunca em tom comparativo para que se sintam melhores ou mais belas do que alguém. Apenas elogie, vibre, parabenize por coisas que eles produzam, criem ou apresentem a vocês. Isso fará deles pessoas positivas e também estimuladoras de outras pessoas para que todos alcancem o sucesso. Crianças positivas aprendem melhor, gostam de aprender e de apresentar bons resultados, e o seu desempenho escolar será sempre bom, tornando a escola um lugar gostoso para eles. Crianças positivas são seguras de si, não têm complexos e não são presas fáceis do bullying. Mas a sua auto afirmação deve ser estimulada pelos pais, para que tenham sempre uma boa auto estima.

Essas são minhas dicas para a formação de adultos sustentáveis. As ferramentas para se chegar a cada uma delas são muitas, e invariavelmente são dependentes de muito AMOR, dedicação e cumplicidade através dos pais. A religiosidade é muito importante para a formação de um adulto, pois a criança poderá crescer inspirada e condicionada a algo por toda a sua vida. Através da religião ela terá um norte para guiar seus passos e sua conduta. Seguindo uma religião e tendo Deus como seu guia a criança jamais se perderá mesmo diante de percalços, pois saberá que há Alguém a quem recorrer e Alguém que o acompanha silenciosamente a todo instante.

Formando adultos sustentáveis poderíamos, quem sabe em um futuro distante, abolir as cadeias, os reformatórios de menores, a poluição, a guerra, a miséria, o ódio...

E é por isso que acredito que a construção de um mundo melhor cabe aos pais. Se todos fizessem a sua parte hoje não estaríamos reclamando da corrupção, da droga, da poluição e das injustiças sociais.

Nunca é tarde para iniciar a construção de um mundo melhor através de adultos sustentáveis. Promova essa ideia!