sábado, 15 de janeiro de 2011

Recrutamento por experiência x caráter

Hoje li o título de um fórum de discussões aberto por Rachel Lobato que dizia: "90% do comportamento de uma pessoa é inconsciente, por isso deve-se contratar as pessoas pelo seu caráter. Participe e dê a sua opinião!"

Entrei no bate papo e escrevi:

"Sem ter esse índice nas mãos eu já tinha por prática adotar essa postura, Rachel. Nos recrutamentos que temos feito para nossas lojas, tenho utilizado uma abordagem pouco comum. Faço a entrevista quase toda pautada em buscar conhecimento acerca do passado da pessoa, e assim aproximar-me o máximo possível de seus valores éticos, morais e sociais. Pergunto muito sobre os pais, sobre a infância e adolecência e período escolar para conhecer a base da formação humana do candidato. Daí passamos para sua vida adulta, relacionamentos, matrimônio, diversão, etc. E até falamos sobre os outros empregos, rsrsrs.


Com isso busco mensurar índices para os seguintes requisitos: Valores, lealdade, responsabilidade, sociabilidade, postura em situações de conflito, maturidade, plano de vida, expectativas profissionais, iniciativa e disciplina.


Cruzando esses dados podemos direcionar o candidato para funções diferentes de um supermercado, e até alguma função na qual ele nunca tenha trabalhado pode ser bem desenvolvida quando aponta para o perfil identificado".

Em resumo, acredito que as experiências profissionais passadas e os diplomas já conquistados não são o suficiente para apostar no sucesso de um novo profissional na empresa. Já o seu perfil humano e caráter diz muito sobre sua possível conduta no ambiente que nós já conhecemos bem. Esse conceito é algo que amadureci sozinho, sem embasamento científico, apenas vivencial. Portanto não o prego como uma teoria, apenas como relato de meu modo de proceder, o qual venho avaliando muito positivamente no nosso dia a dia.

Também tive a curiosidade de procurar algo mais a respeito desses 90% e encontrei um texto muito contundente, escrito por Kléber Veloso, cuja leitura eu recomendo clicando nesse link.

Para aguçar a sua curiosidade, o texto diz respeito ao consciente x inconsciente na decisão de compra e consumo, e demonstra indiretamente o quanto nossas atitudes impensadas podem dominar as pensadas, tendo sido influenciadas pela formação e amadurecimento do cidadão.