segunda-feira, 28 de junho de 2010

Meu filho, eis aqui o mundo como ele verdadeiramente é

Vejam isso...

Eu não sei qual é o limiar entre a verdade, a realidade e a lucidez, mas vendo esse cartoon, de autoria de Quino (argentino criador da personagem Mafalda), coloquei-me a pensar mais uma vez na educação de nossos filhos.

Num post que escrevi em agosto do ano passado, relatei um fato protagonizado pela minha filha acerca do bem e do mal, e agora volto a essa questão. Não é uma crueldade colocarmos nossos filhos frente a frente com as mazelas vergonhosas com que se desenvolve a humanidade?

Alguns acham que sim, devemos apresentar o mundo aos filhos para que não sejam pegos de surpresa. Mas colocando-os a conhecer o mal desde a tenra idade, não estaremos condicionando suas mentes a conviver, aceitar e praticar o mal como se isso fosse normal?

Qual a criança que terá maior chance de mudar o mundo: a que assistiu Ben 10 ou a que assistiu Barney (o dinossauro roxo)? A que assistiu o depressivo e derrotado Bob Esponja ou a que assistiu os amigos Backyardigans?

Eu penso que a idade pré-escolar tem grande influência na formação da personalidade, do caráter e dos valores das crianças, e por isso acredito que o filtro dos pais com relação às informações que elas recebem deve ser minuciosamente elaborado para que se forme um cidadão pacífico, socialmente correto e justo.

Em resumo, minha tese é de que a criança deve aprender e conviver full time com o bem, para que no momento certo se sinta incomodada, e não acostumada com o mal.