terça-feira, 9 de março de 2010

A sociedade brasileira rumo ao caos social

É reconhecido no velho mundo o problema da falta de "reposição" das pessoas de mais idade, que devido o planejamento familiar, vêm um processo de decréscimo populacional, ou seja, morre mais gente do que nasce. Com isso, o processo previdenciário torna-se um problema de futuro, pois a população economicamente ativa será cada vez menor para sustentar a população crescente de aposentados. Esse problema pode incomodar nas economias mais sensíveis, como a portuguesa, a grega e a de países do leste europeu.

No Brasil o problema é outro. A classe economicamente ativa faz planejamento familiar. Aliás, essa classe nem tem mais se interessado em ter filhos, pois nota-se um crescimento da população independente, de homens e mulheres que levam a vida livre, leve e soltos, sem vínculos matrimoniais e sem filhos (que são vistos como a pedra no sapato de quem quer fazer carreira e prosperar).

Por outro lado, a classe mais baixa da população ainda enfrenta o problema da gravidez precoce, e muitas mulheres, sem condição sequer de se sustentar sozinhas, ainda levam na bagagem da vida mais 2 ou 3 filhos sem a presença dos pais legítimos.

Em resumo, a população economicamente ativa do Brasil daqui a 20 anos será formada predominantemente pelos filhos da pobreza, criados e "educados" em creches, com pouca presença das mães, e depois passando pelas escolas públicas pouco valorizadas pelo baixo grau de importância dado pelo Estado. Farão parte de uma grande massa populacional de baixa renda e despreparada para a vida e para o mercado de trabalho.

Estou sendo pessimista demais ou mais alguém vê essa realidade futura? Nossos governantes já despertaram para se antever ao caos social e previdenciário ou vão deixar a bomba explodir bem nas mãos dos nossos filhos e netos, com um aumento expressivo da criminalidade e do abismo social?

É véspera de eleição, hora boa para começar a pensar no futuro do Brasil...