quinta-feira, 20 de maio de 2010

O pato que virou cão pastor

Era uma vez um pato que, mesmo não apresentando muita beleza, foi crescendo e desenvolvendo-se. Aos poucos foi percebendo o seu brilho, sua plumagem já lhe proporcionava algum orgulho de si mesmo, e diante das novas necessidades que sua idade ia exigindo passou a interessar-se mais pelo seu próprio amadurecimento.

E ele passou a estudar, trabalhar e correr atrás do conhecimento, e após anos batendo cabeça, acertado e errando, percebeu que estava adquirindo algumas qualidades que o diferenciavam de outros animais. O pato não era um exímio especialista em uma única atividade, porém conseguia fazer coisas distintas com certa facilidade, como andar, nadar e voar, o que lhe proporcionava uma visão mais ampla e abrangente do mundo e de suas características, maior mobilidade, além da facilidade de adaptação em diferentes ambientes.

Assim o pato criou coragem e, já com algum status entre os demais bichos, alçou vôo e foi parar bem longe de seu lugar de origem, buscando desempenhar seu papel e obter novas experiências.

No novo ambiente o pato se sentiu à vontade, a natureza era farta e sua alegria estava garantida. Porém, lá o seu conhecimento passou a ser usado de outra forma. Ele encontrava alguma dificuldade para penetrar direto nos problemas locais e promover as soluções, e assim começou a dar voltas, cercar as lideranças com informações, levantamentos, averiguações técnicas e comprovações de suas teorias, e viu que começava finalmente a obter sucesso. O pato percebeu que seu trabalho não deveria ser incisivo, mas leve e sutil, conquistando a confiança e conduzindo os demais a um caminho alertando aqui, correndo pra lá e alertando alí, até que o bloco todo de participantes começassem a andar na mesma trilha para chegar sem conflitos ao mesmo destino.

Pato encontrou satisfação com o andamento das coisas até que um dia, bebendo água na lagoa, notou algo diferentes em si mesmo: seu aspecto estava diferente, pois apesar de ter pensado como um pato, ele estava naquele momento agindo como um cão pastor. E ele viu que isso era bom... 

Pato compreendeu que a melhor maneira de alcançar sucesso estava na sua flexibilidade para agir e na sua habilidade de adaptar-se às diferenças. Quem for rígido como uma rocha corre o risco de passar seus anos sem nunca sair do mesmo lugar.

Adriano Berger